Snippet

Namorar é uma delícia!

Este relacionamento pré-casamento, entre duas pessoas apaixonadas pode ser uma das fases mais ricas e ternas da vida de um ser humano. Basta ser inteligente e saber aproveitar.

Namorar é uma delícia quando os pais consentem, aceitam o relacionamento e abençoam o casal. No namoro, duas famílias estão envolvidas e o desafio é construir relacionamentos saudáveis em todas as esferas. Programas divertidos e momentos de bate papo com os familiares aprofundam o sentimento e demonstram respeito mútuo.

Namorar é uma delícia quando há romantismo. E para haver romantismo não é preciso dinheiro, mas criatividade. Não é preciso presentes caros ou passeios dispendiosos. Quando se está apaixonado, o que importa é estar junto. Telefonemas inesperados, bilhetinhos apaixonados, o chocolate preferido embrulhado pra presente, uma serenata, apelidos carinhosos, gestos educados, versinhos “ridicularmente” melosos, um encontro inesperado, elogios inteligentes… a lista é interminável.

Namorar é uma delícia quando ambos compreendem os limites do relacionamento. No namoro, os beijos, abraços e carícias não ocupam a maior parte do tempo nem são prioridade. No namoro a gente brinca, conversa, passeia, ouve música, sonha, faz planos, toma sorvete, dá risada… Não se perde tempo procurando lugares escuros nem oportunidades para ficar a sós, pois a intimidade física é reservada para o casamento.

Namorar é uma delícia quando há respeito, diálogo civilizado, sabedoria para resolver conflitos, disposição para ouvir, desejo sincero de compreender e abrir mão de seus direitos de vez em quando, tolerância, delicadeza, honestidade, humildade para perdoar. Nem sempre tudo vai estar bem e os namorados estarão ambos bem humorados, aí é preciso jogo de cintura para driblar a situação e jogar fora as picuinhas.

Namorar é uma delícia quando quem namora é adulto. Sim, pois namoro não é coisa pra criança. No namoro não há espaço para ciúme excessivo, baixa alto estima, carência afetiva, egoísmo, pirraças, descontrole emocional e outras características de uma personalidade imatura. Pra namorar, tem que ser gente grande, satisfeito consigo mesmo e ver no outro uma pessoa para amar e não para satisfazer suas próprias necessidades.

Namorar é uma delícia quando há também um pouco de silêncio, um pouco de saudade. Quando há tempo para si mesmo. Há que se dar espaço para que a própria vida e a do outro continue pulsando: shopping com as amigas, futebol com os amigos de infância, a leitura de um bom livro, estudo, trabalho, família.

Namorar é uma delícia quando é feito a três. Quando Deus, que é o maior interessado em nosso bem estar é convidado a estar presente em todas as conversas, participar de todos os encontros e orientar em todas as escolhas, há segurança no relacionamento. Orar juntos, buscar a Deus nos momentos difíceis, agradecer a Ele cada pequena conquista, ser bênção na vida do outro através de seus dons espirituais, cantar músicas em adoração ao Senhor, adorá-lo a dois, são posturas que podem mudar toda uma vida.

Quando o namoro dá certo e ambos decidem que querem viver juntos pelo resto da vida, vem o casamento. E é aí que o namoro amadurece, muda de fase e… fica ainda mais delicioso!

A todos os casais apaixonados e enamorados, que o coração continue batendo forte a cada encontro e que um simples olhar do bem amado continue nos tirando o fôlego.

Texto: Márcia Cristina Rezende

^ DEIXE SEU COMENTÁRIO NO TOPO DA POSTAGEM ^

=======================================================================

4 Responses so far.

  1. Kalebe says:

    É beem isso, quando estamos apaixonados
    , e principalmente quando o nosso namoro está em Deus!!!

  2. Felipe says:
    Este comentário foi removido pelo autor.
  3. Felipe says:

    O que fazer quando a gente, em obediência aos líderes de nossa igreja, dispensamos oportunidades em prol de um momento "certo", uma pessoa "certa" em uma condição sócio-familiar-religiosa "certa", e nos deparamos, ao final, com uma inquietante realidade: de que no fim o tal "certo" não existe? De que as oportunidades dispensadas eram, indubitavelmente, reais, e trocadas foram pelo irreal, pelo ideal? De que, agora, a gente não dispõe mais nem de uma pessoa, nem de tempo? Como é que fica? Onde está a "delícia" nisso tudo?

  4. Olá Felipe,
    Sou o lider de jovens aqui da ADGravataí, gostaria muito de conversar com você, não apenas por textos.. me liga 8438 2313 ou me passa teu numero: adm.jeanferreira@gmail.com
    forte abraço!